Apresentação dos livros de Cristina Carvalho

"A saga de Selma Lagerlöf"
e
“Ingmar Bergman: o caminho contra o vento"

Com a presença da autora Cristina Carvalho


6 de dezembro | 18h30

Entrada gratuita
(condicionada à lotação do espaço)


Cristina Carvalho, nasceu em Lisboa a 10 de Novembro de 1949. É autora de vários livros publicados, muitos deles incluídos no Plano Nacional de Leitura (PNL) para diversos graus de ensino. O romance “O Olhar e a Alma, Romance de Modigliani” (2015), recebeu o prémio da Sociedade Portuguesa de Autores/RTP 2016 na categoria de Melhor Livro de Ficção Narrativa. É filha da escritora Natália Nunes e do professor e poeta Rómulo de Carvalho/António Gedeão. O seu primeiro livro, “Até já não É Adeus”, foi publicado em 1989. É autora de 18 obras de ficção e ensaio, três delas traduzidas em inglês, francês e italiano.
Durante a sua atividade profissional, contactou com milhares de pessoas e visitou inúmeros países sendo a Escandinávia e o Oeste português as regiões que mais ama e que mais influência exercem sobre a sua personalidade enquanto transitório ser humano do sexo feminino, habitante do planeta Terra e, por acaso, escritora.
Publicou contos em várias revistas e jornais, nomeadamente no Jornal de Letras e revista Egoísta.

SINOPSES

«Este romance biográfico foi escrito em golfadas, em horas imprecisas do dia ou da noite; não obedeceu a nenhuma rotina disciplinada. Como em todos os actos de paixão, fui sobrevivendo em equilíbrios improváveis. Conheci regiões que jamais imaginei conhecer, reconheci a vida desta pessoa, imaginei-a com a possível intimidade.
Julguei, muitas vezes, ouvi-la.
O conhecimento dessa vida foi como o silvo das auroras boreais ou como o zurzir do relâmpago na noite profunda.»
In “A Saga de Selma Lagerlöf”

Esquelético, febril, doente, quase sem dar sinais vitais, nasci. O ambiente psicológico em casa não podia ser pior e Karin, a minha mãe, na altura do parto, encontrava-se no mais desolador estado depressivo. Nasci num domingo, o que já de si é um bom augúrio. Uma criança nascida num domingo, segundo a tradição sueca, terá o dom de ver mais longe, de alcançar outro horizonte. Além disso, o dia em que vim a este mundo, 14 de Julho, já era uma data histórica, o Dia da Tomada da Bastilha, dia de protestos e revoltas no mundo.
Deram-me o nome de Ernst Ingmar Bergman.
O que a Autora revela neste romance biográfico são aspetos menos conhecidos da vida de Bergman. Não tudo, mas o que considerou importante para se conhecer um pouco melhor essa personalidade invulgar por quem se apaixonou.
In “Ingmar Bergman: o caminho contra o vento”


Consulte AQUI o cartaz

 

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

 

Rede Nacional de Bibliotecas Públicas

 

Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas

 

Fábrica das Palavras | BMVFX

MENU

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao prosseguir, concorda com a nossa política de utilização.